6 maneiras de melhorar a gestão de iluminação pública da sua cidade

A gestão de iluminação pública é um tema, às vezes, de debates acalorados em algumas localidades. Em muitas zonas urbanas, há déficit de pontos de luz, o que é ruim para a visibilidade e segurança das pessoas. Em compensação, existem áreas das cidades que consomem bastante energia elétrica. Nestes pontos é possível observar lâmpadas que iluminam calçadões de praias, praças, ruas e jardins públicos, mesmo quando o sol já nasceu.

Será que existem caminhos para melhorar essa situação com a ajuda do setor privado e da população? Que tal descobrir algumas dicas de gestão e meios de potencializar o controle da iluminação pública? Confira no post de hoje!

Blog Sovis: entenda a importância de uma gestão de IP eficiente

 

1 – Aprimore a gestão da iluminação pública: pontos de luz

Com uma pesquisa de campo adequada, o gestor público vai ficar a par dos lugares que estão precisando de mais iluminação. Também poderá distribuir melhor os pontos de luz. Isso talvez não reduza os custos com o serviço na cidade, mas certamente gerará um melhor atendimento à população. E melhor de tudo: em muitos casos, gastando-se mais ou menos a mesma quantia a cada mês. Para tal, é relevante analisar criteriosamente os bairros que têm menos acolhimento do setor. Esquematize como serão os espaçamentos e as posições dos novos postes, sinais e pontos de iluminação pública.

 

2 – Aperfeiçoe a gestão da produtividade da equipe de campo

field_service 6 maneiras de melhorar a gestão de iluminação pública da sua cidade

De nada adianta ter uma ótima distribuição de pontos de iluminação pública se não estiverem funcionando a contento. Por isso, o município deve contar com os serviços de uma excelente equipe de assistência técnica de campo.

Vale muito a pena investir em treinamento de pessoal e na contratação de funcionários que sejam proativos e comprometidos. Deste modo, as lâmpadas queimadas são trocadas em tempo hábil, as fiações e demais itens danificados serão consertados rapidamente. Como consequência, haverá um contato mais próximo com o cidadão comum, que poderá até relatar ao trabalhador de campo algum problema.

 

3 – Adote o monitoramento efetivo da iluminação pública

Dentro da gestão de iluminação pública é possível reduzir os desperdícios de consumo com o monitoramento dos postes e pontos de luz. Em um município grande ou uma capital de Estado, por exemplo, há muitos milhares de postes, dezenas de praças e parques, entre outras fontes de iluminação bancada pelo poder público. Não é incomum encontrar alguns desses utensílios acesos em pleno dia, o que significa desperdício e desgaste dos materiais.

Caso o cidadão encontra uma fonte de iluminação pública acesa em ocasião desnecessária, deve-se entrar em contato com a Secretaria Municipal de Serviços Urbanos (ou equivalente) na cidade e solicitar o desligamento da luz — o que nem sempre acontece.

 

Com um sistema de monitoramento, o emprego de sensores nos pontos de luz indica quando há luz do dia. Assim, as luzes podem ser apagadas automaticamente ou por acesso remoto. Mecanismos ligados aos postes e outros pontos de luz também podem ser usados para que o cidadão informe à Prefeitura que o local está gastando energia elétrica desnecessariamente, por meio de um simples apertar de botão.

Blog Sovis: IP, de quem é a responsabilidade?

 

4 – Desenvolva mais canais de comunicação com a população

Além de disponibilizar os telefones dos tradicionais setores municipais para o cidadão, vale a pena abrir novos canais de comunicação. Muitas pessoas se sentem estimuladas e têm facilidade de contatar a Prefeitura por outros meios, como pela internet.

No contexto do serviço de gestão de iluminação pública, pode-se abrir um espaço de atendimento à população por e-mail ou website. Desta maneira, as pessoas poderão enviar solicitações ou se relacionem de alguma forma com os responsáveis.

Podemos citar como exemplo o software de gestão de iluminação pública SOVIS/IP. O sistema conta com a funcionalidade “Prefeitura online”, onde o cidadão pode abrir diversas ocorrências:

  • Requisições de iluminação pública apagada
  • Luzes acesas durante o dia
  • Informar buracos nas ruas e árvores caídas
  • Pode enviar fotos do local
  • Ponto exato por geolocalização do problema

 

Após a abertura da ocorrência, o cidadão terá um canal direto com o departamento correto que irá atender à solicitação feita. Além disso, poderá acompanhar o status e desfecho do atendimento. Isto sim é o que podemos chamar de inovação nas prefeituras: um canal aberto e a relação direta com o cidadão.

Com feedbacks em tempo real, há mais agilidade para realizar melhorias, avanços e reparos. Além disso, a população será capaz de sugerir ideias interessantes. Quem sabe um cidadão não apareça com uma solução mais proveitosa?

 

Quer saber mais sobre o SOVIS/IP?

 

 

5 – Conte com a cooperação do setor privado para ajudar na infraestrutura pública

Existem muitas empresas especializadas em soluções de eletricidade e cabeamentos de pontos de iluminação pública.  As Prefeituras podem se valer dessas noções técnicas por meio de licitações integradas às demandas municipais. Deve-se considerar um projeto municipal de gestão de iluminação pública. É preciso avaliar zonas que precisam de mais fontes de luz e aquelas onde se deve fazer melhor distribuição.

A cooperação público-privada estimula a velocidade na edificação estrutural da iluminação pública. Também pode ser aproveitada para a gestão dos serviços afins. A inovação de alguns empreendedores pode trazer inúmeros benefícios para o setor. Além disso, o município pode fazer uma concessão terceirizada para cuidar da administração, conserto e distribuição dos pontos de IP.

Blog Sovis: 4 regras de ouro do tribunal de contas para contratação e prestação de serviços

 

6 – Adote sistemas sustentáveis de energia

Você sabia que já existem postes com placas de captação de luz solar? É sistema que passa o dia captando e armazenando, em pequenas baterias, a energia do sol. Neste sistema, as luzes acendem e apagam automaticamente à noite através de um sensor. É uma tecnologia que informa a falta de iluminação, ou seja, o momento certo para o poste acender. A conta pública de energia elétrica é reduzida e há menor preocupação com o controle de alguns postes, caso o sistema seja adotado.

Como é a gestão de iluminação pública em sua cidade? Você tem notado problemas sérios nos postes e outros pontos de luz? Essas fontes estão mal distribuídas nos bairros? Elas ficam acesas nos momentos em que o município já tem luz solar à vontade? Conte um pouco a respeito do que sua cidade vem fazendo para melhorar essas situações!

 

 

Aproveite e siga a Sovis nas redes sociais:

Facebook

LinkedIn

Deixe um comentário